INCT participa da elaboração de norma para reúso direto de águas residuárias provenientes de ETEs

//INCT participa da elaboração de norma para reúso direto de águas residuárias provenientes de ETEs

INCT participa da elaboração de norma para reúso direto de águas residuárias provenientes de ETEs

Minas Gerais está elaborando minuta de deliberação normativa para regulamentar o reuso direto não potável de água proveniente de Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs) Sanitários. A intenção é estabelecer os casos em que o reúso será permitido e amparar legalmente os usuários que tiverem o interesse nessa prática.

O INCT ETEs Sustentáveis está contribuindo nesse debate e participou de reunião com a Fundação Estadual de Meio Ambiente – FEAM e com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM, realizada na última quinta-feira, 13 de setembro, cujo objetivo foi apresentar propostas e contribuir para elaboração o texto da minuta.

A reunião contou com a presença dos professores da UFMG ligados ao INCT ETEs Sustentáveis – Carlos Chernicharo, Marcos von Sperling e Antônio Matos, da Diretora-Geral do IGAM – Marília Melo, além de diretores, pesquisadores e representantes da FEAM, IGAM e UFMG.

O objetivo de criar a legislação, segundo Marília Melo, é estabelecer no Estado normas que possam garantir a segurança e a saúde humana, mas que ao mesmo tempo incentivem o reúso não potável de água provenientes de ETEs como forma de economizar e prevenir a escassez hídrica.

O professor Antônio Matos salientou que o reúso é seguro para a maioria dos casos e se Minas Gerais conseguir regular um reúso, ainda que restrito a algumas culturas agrícolas, já será um grande passo. Já Carlos Chernicharo, coordenador do INCT ETEs Sustentáveis, destacou que se a proposta for aprovada, estará referendando conhecimentos que vêm sendo produzidos há anos, na academia, em pesquisas nacionais e internacionais.

A reunião fez parte de uma série de consultas que estão sendo realizadas para elaboração da minuta. É uma das atividades do Grupo de Acompanhamento da Situação Hídrica – GSH, criado por meio da Resolução Conjunta SEMAD/IGAM nº 2548 de 2017, que tem como meta preparar medidas de enfrentamento à crise hídrica no Estado.

Para melhor tratar ações específicas, foram estabelecidos internamente 4 subgrupos técnicos. O Subgrupo de Eficiência e Sustentabilidade é o que trata do aprimoramento dos instrumentos regulatórios, entre eles a minuta sobre reúso não potável de água provenientes de ETEs.

O Diretor de Planejamento e Regulação do IGAM, Thiago Figueiredo Santana, que coordena os trabalhos do grupo, disse que “no contexto de escassez em que vivemos, a norma possibilitará a utilização de águas residuárias em fins diversos, a serem definidos, nos meios rural e, principalmente, urbano, onde a utilização de água, especialmente da água potável, é injustificável”.

Entre os fins previstos para o reúso, de acordo com as propostas previamente apresentadas para inclusão no texto da norma, destacam-se a utilização para fertirrigação de algumas culturas agrícolas, limpeza de áreas com acesso controlado, recuperação de regiões degradadas, reflorestamento, mineração, processos industriais compatíveis, diminuição de poeira em áreas industriais e de mineração, entre outras.

A minuta ainda está em discussão. O texto deverá ser aprovado primeiro no Subgrupo e no Grupo GSH, para posterior envio aos Conselhos Estaduais de Recursos Hídricos e de Meio Ambiente. Esta foi a primeira reunião envolvendo o INCT ETES Sustentáveis e já existe previsão de pelo menos mais um encontro para discussão do texto que será submetido à aprovação.

Esta atividade corrobora uma das metas do INCT ETES Sustentáveis que é o desenvolvimento de ferramentas de apoio à tomada de decisão e aspectos legais e institucionais. Explicitamente, a proposição de diretrizes para subsidiar resoluções, normas e leis que incentivem o desenvolvimento de ETEs cada vez mais sustentáveis.

Por |2018-10-05T17:13:07+00:0018 de setembro, 2018|